A arquiteta Maria Sliviany, à frente do SLVY Arquitetura, propõe projetos genderqueer, ou seja sem gênero, que apresentam uma nova forma de classificação dos ambientes

Maria Sliviany
Foi muito cedo que a arquiteta Maria Sliviany, à frente do escritório SLVY Arquitetura, optou pela profissão. Sua aptidão em desenho à levou de encontro à arquitetura e, desde então, seus “rabiscos” se tornaram mais do que projetos de ambientes, mas conceitos sociais e artísticos. Isso porque a profissional decidiu explorar a ideia de espaços genderqueer, ou seja, sem gênero, além de propor a inserção da arte, seja pintura, desenho, gravura ou música, em todos os seus projetos. Leia+Mais→